Em reuniões com o administrador da região e com representantes de movimentos sociais, também foi discutida a possibilidade de abertura de um campus no local

Instalação do polo de extensão no Paranoá garantirá a presença da UnB na região, enquanto avança discussão sobre possível criação de um campus. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília


Uma antiga demanda dos moradores do Paranoá deve, finalmente, sair do papel. Nesta semana, a administração da Universidade de Brasília realizou duas reuniões cujo tema central era a presença da UnB na região. A primeira conversa foi com o administrador do Paranoá, Sérgio Costa Damaceno, e a segunda, com representantes do Movimento pela UnB no Paranoá/Itapoã (Mupi).

 

"Temos total interesse em levar a UnB para a cidade. Já temos muitos projetos de extensão na região e consciência de nosso papel formador na sociedade", disse a reitora Márcia Abrahão.

 

Uma das possibilidades discutidas foi a criação de um novo campus da UnB no Paranoá. O administrador Sérgio Damaceno mencionou a área de cerca de 40 mil metros quadrados na Quadra 4 do Paranoá, reservada há vários anos para o campus. Na conversa, ele afirmou interesse em atuar junto aos órgãos competentes, no âmbito distrital e federal, para assegurar a destinação do local para essa finalidade.

 

A preocupação com o terreno também foi expressa pelos movimentos sociais. "Nós nos preocupamos muito com a destinação daquela área. Por isso pedimos esta reunião, para retomar as conversas iniciadas há muito tempo sobre a instalação da UnB em nossa cidade", comentou Adriano Borges, um dos integrantes do Mupi.

 

A reitora lembrou que ter área é importante, mas não o único passo necessário para a criação de um campus. "Para que possamos levar essa ideia adiante, são necessários recursos, docentes e técnicos do Ministério da Educação. Para isso, precisamos de proximidade com os governos local e federal e também com as bancadas", ponderou.

 

A gestora também destacou ser importante ter a efetiva participação da comunidade na definição dos cursos que serão ofertados. "Nesse caso, os movimentos também precisam debater e encontrar consenso sobre as graduações que desejam ter na cidade", acrescentou.

 

O assessor estratégico do Gabinete da Reitora, professor Benny Schvarsberg (que é docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), lembrou que a área da Quadra 4 é originalmente destinada à instalação de "equipamentos públicos de educação superior". "O governo do Distrito Federal precisa fazer a doação do terreno à Secretaria de Patrimônio da União (SPU), com a destinação à UnB, para que a instituição instale atividades de ensino, pesquisa e extensão", detalhou. "É preciso dar início aos trâmites, para desembaraçar as questões judiciárias e urbanísticas", defendeu o assessor.

 

PRIORIDADE – Enquanto isso, a presença da Universidade na região estará garantida, por meio da instalação de um polo de extensão. A decana de Extensão, Olgamir Amancia, pontuou que essa é uma das principais metas do Decanato. "Nós tivemos avanços consistentes em outras cidades, com a consolidação do polo da Estrutural e a abertura do polo do Recanto das Emas. A instalação de um polo no Paranoá é uma das prioridades desta gestão”, explicou a gestora.

 

>> Relembre: UnB inaugura polo de extensão no Recanto das Emas

 

A proposta de instalar o polo no Paranoá foi recebida com entusiasmo por todos. A iniciativa, frisou a decana, seria uma forma de assegurar, em curto prazo, a presença da Universidade no território, "ao mesmo tempo, se constituiria na antessala do campus da UnB no Paranoá/ Itapoã".

 

“Considerando o planejamento do DEX para o ano de 2021, é certo que podemos fazer essa instalação ainda antes da destinação de uma área, porque isso pode levar tempo", disse. Ela lembrou, contudo, ser necessário que "a administração regional se comprometa em oferecer um espaço físico devidamente estruturado, em condições de abrigar os projetos, a exemplo do que ocorreu no Recanto das Emas". A demanda foi acolhida por Sérgio Damaceno, que se manifestou disposto a trabalhar para alcançar a estrutura necessária.

 

Ficou acertado que o administrador enviará documento à Reitoria formalizando o pedido de instalação da UnB na cidade e que a Diretoria de Desenvolvimento e Integração Regional do DEX apresentará à administração e à comunidade o projeto dos polos de extensão da UnB. O Mupi também deve encaminhar documento à Universidade e agregar representantes do Itapoã à discussão. "A partir de então – e do constante diálogo com os envolvidos – deve surgir uma proposta específica, representativa dos interesses e da cultura local", explicou a decana.

 

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.