Parte da Rede de Polos, Paranoá e Itapoã terão atuação de 19 projetos da UnB

IMG 20220622 WA0035

Professora Maria de Lourdes fala sobre a parceria entre UnB e comunidade do Paranoá e Itapoã. Foto: Isadora Vergara. 

 

Foi com muita receptividade que a Universidade de Brasília (UnB) inaugurou o Polo de Extensão do Paranoá na última quarta-feira (22). Com a participação de gestores públicos, movimentos sociais e população da cidade, a UnB apresentou os 19 projetos de extensão que atuam na região.

 

Rogério Ferreira, diretor de Desenvolvimento e Integração Social do Decanato de Extensão (DDIS/DEX), comemorou o engajamento da comunidade. “Várias das pessoas que estão aqui lutaram muito para termos o espaço de referência da UnB no Paranoá”, disse.

 

O Decanato de Extensão faz a gestão da Rede de Polos, um programa de ação contínua que reúne cinco Polos da UnB que atuam junto a comunidade de cidades do Distrito Federal e Entorno. Olgamir Amancia, decana de Extensão da UnB, reforçou o compromisso da universidade com a população do Paranoá e Itapoã. “Tivemos um diálogo intenso com os movimentos sociais”, contou. “A criação do polo é o primeiro passo para alcançar o sonho de ter o campus nesta região”.

 

Pesquisador do Grupo de Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação Popular e Estudos Filosóficos e Histórico-Culturais (Genpex), o professor Renato Hilário (FE/UnB) trabalha há décadas junto às comunidades do Paranoá e do Itapoã. “Não é só a universidade que ensina, mas também aprende, não é suficiente partilharmos essa produção do conhecimento”, argumentou. “A universidade vai ao encontro das necessidades sociais”.

 

Coordenado pela professora Erondina Azevedo, do Instituto de Física, o Polo de Extensão do Paranoá tem 19 projetos nas áreas de educação, saúde, cultura, meio ambiente, direitos humanos e tecnologia. Entre os projetos, está o coordenado por Erondina, Monitoramento dos Impactos Ambientais em áreas urbanas, além do Projeto Nossas Vozes: comunicação para adolescentes e jovens, Cine Pipoca no Rolê e LeiA - Leitura e Ação Lúdico-Pedagógica para Crianças, entre outros.

 

SETOR PÚBLICO APOIA – O apoio do setor público na viabilização das atividades presenciais do Polo também está garantido. O evento teve a participação dos atuais administradores das Regiões Administrativas do Paranoá e do Itapoã, além do ex-administrador do Paranoá. Junior Carvalho, administrador do Paranoá, afirmou que o momento é histórico. “Estamos em uma fase de inclusão social e desenvolvimento econômico do Paranoá. São esforços para melhorar a qualidade de vida da população”.

 

Antigo administrador da cidade, Sérgio Damaceno, destacou a parceria histórica entre a comunidade e a UnB: “Se a gente for enumerar, são muitos projetos que a UnB trouxe”. Marcus Cotrim, administrador do Itapoã e ex-aluno da UnB, também comemorou a quantidade de projetos que são realizados na região.

 

PARTICIPAÇÃO POPULAR – Militante histórica do Paranoá, a professora aposentada Maria de Lourdes Pereira falou sobre a parceria da UnB com a comunidade. Desde 1986, o Centro de Cultura e Desenvolvimento do Paranoá (Cedep), do qual é fundadora, desenvolve um trabalho de educação de jovens e adultos em conjunto com o Genpex.

 

“Faz alguns anos que desenvolvo um projeto aqui na comunidade”, contou. “Hoje é só um degrau. Os professores e departamentos comprometidos estão sempre aqui”.

 

Representante do Movimento pela UnB no Paranoá/Itapoã (Mupi), Garibel Antoneto falou um pouco sobre a história do movimento que demanda um campus da UnB na região. Criado em 2015, o Mupi já contou com a participação de 22 entidades. “É uma vitória do movimento popular ter o polo de extensão”, celebra.

 

REPE – A partir da perspectiva de expansão territorial da Universidade, surgiu a Rede de Polos de Extensão (REPE), oficializada em abril de 2022. A resolução, aprovada pela Câmara de Extensão (CEX), estabelece a REPE como um Programa de Ação Contínua gerido pelo DEX. A ideia é integrar projetos que já são realizados e estimular a criação de novas propostas. Hoje, 61 projetos atuam nos cinco Polos de Extensão. A Rede deve integrar ações interdisciplinares de extensão, articulada com ensino e pesquisa.

 

Além do Paranoá, a UnB tem Polos de Extensão na Cidade Estrutural, Recanto das Emas, território Kalunga (que está nos municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre, em Goiás) e Chapada dos Veadeiros (em Alto Paraíso, Goiás).

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.